sábado, 8 de dezembro de 2007

O Advento de um novo mundo...

Leitura do Livro de Isaías
Naquele dia, sairá um ramo do tronco de Jessé e um rebento brotará das suas raízes. Sobre ele repousará o espírito do Senhor: espírito de sabedoria e de inteligência, espírito de conhecimento e de temor de Deus. Animado assim do temor de Deus, não julgará segundo as aparências, nem decidirá pelo que ouvir dizer. Julgará os infelizes com justiça e com sentenças rectas os humildes do povo. Com o chicote da sua palavra atingirá o violento e com o sopro dos seus lábios exterminará o ímpio. A justiça será a faixa dos seus rins e a lealdade a cintura dos seus flancos. O lobo viverá com o cordeiro e a pantera dormirá com o cabrito; o bezerro e o leãozinho andarão juntos e um menino os poderá conduzir. A vitela e a ursa pastarão juntamente, suas crias dormirão lado a lado; e o leão comerá feno como o boi. A criança de leite brincará junto ao ninho da cobra e o menino meterá a mão na toca da víbora. Não mais praticarão o mal nem a destruição em todo o meu santo monte: o conhecimento do Senhor encherá o país, como as águas enchem o leito do mar. Nesse dia, a raiz de Jessé surgirá como bandeira dos povos; as nações virão procurá-la e a sua morada será gloriosa.

terça-feira, 27 de novembro de 2007


Caros amigos,

Hoje é o dia em que celebramos Santa Catarina Labouré, a Filha da Caridade por intermédio da qual, Maria fundou o nosso Movimento JMV.

Por esta razão quero partilhar convosco algumas das reflexões feitas no nosso encontro regional.


"Em termos teológicos, a comunidade é a realização da Igreja tal como Jesus a sonhou e a fez nascer no Pentecostes.
É um organismo vivo em crescimento.
É um corpo animado pelo Espírito Santo (ICor 10,17; 12,27).
As relações são interpessoais, de amizade, partilha, diálogo e solidariedade.
Na comunidade todos se conhecem pelo nome.
Existe um objectivo comum.
Todos tomam parte na programação, nas decisões e na execução da missão da comunidade."


O papel de cada membro é respeitado pelos outros.
A comunidade não admite homens faz-tudo.
Os homens faz-tudo desmotivam as pessoas para o compromisso.
É mais eficaz muitos a fazer pouco do que poucos a fazer muito.
Na comunidade, a grande paixão é a causa do Evangelho.


A oração não é por causa de Deus. É por causa dos crentes. Deus não se transforma nem muda de opinião. O homem é que se transforma e é capaz de saborear os acontecimentos com o sentido da plenitude de Deus.
Quem se transforma, na oração, é o crente e não Deus.
As normas e o projecto comum têm como finalidade facilitar a organicidade e fecundidade comunitárias.
Não abafam nunca a vida.
Quando já não se adequam ao crescimento comunitário, as normas e as programações são alteradas."


Quero também pedir àqueles que participaram neste encontro que partilhem as suas experiências de modo a enriquecerem esta celebração.


Um grande abraço em Cristo

segunda-feira, 26 de novembro de 2007

Cristo Rei do Universo


"O Reino de Deus é um reino de paz, justiça e alegria..."

terça-feira, 13 de novembro de 2007

A IGREJA PORTUGUESA E AS OVELHAS QUE FOGEM DO REDIL


A IGREJA PORTUGUESA E AS OVELHAS QUE FOGEM DO REDIL

João Miguel Tavares


Tanta orelha santa a arder. Os bispos portugueses promoveram uma série de relatórios diocesanos - que embora confidenciais todos sabem o que dizem: menos padres, menos gente na missa, menos baptizados -, foram mostrá-los ao Papa e vieram de lá com um raspanete dos grandes, ainda que proferido naquele tom eclesiástico que mistura elogios, sorrisos beatos, citações da Bíblia e alfinetadas. Que eu saiba, não há memória de um Papa se dirigir à Igreja portuguesa convidando-a a "mudar o estilo de organização e a mentalidade dos seus membros" perante a "maré crescente de cristãos não praticantes" nas dioceses. Mudar de estilo e de mentalidades não é o mesmo que mudar a cor das vestes litúrgicas ou afinar os cânticos das missas - é mudar tudo. São palavras duríssimas de Bento XVI, tanto mais significativas quanto politicamente até correm o risco de fragilizar a Igreja nos embates que tem tido com o Governo, como foi o caso recente das capelanias hospitalares.Ainda assim, talvez o seu discurso consiga o milagre de promover um debate alargado sobre o estado da Igreja em Portugal, que é bem preciso. Quando no espaço público se discutem os problemas da Igreja, em 90% dos casos é conversa sobre sexo - desde o celibato dos padres ao uso dos contraceptivos, passando pela posição do Vaticano sobre a homossexualidade. Mas essa é apenas a árvore que esconde uma floresta de problemas. Quem está de fora nem sequer sabe que existem, mas eles estão lá, e o Papa apontou dois: o défice de "participação na vida comunitária" e a falta de "eficácia dos percursos de iniciação actuais", sendo que o primeiro acaba por ser uma consequência natural do segundo. Traduzindo para português, a referência aos "percursos de iniciação" quer dizer uma coisa muito simples: os cristãos portugueses estão mal preparados, vivem agarrados a uma religiosidade popular mal fundamentada e isso faz com que entre o fim da infância e o início da idade adulta boa parte das ovelhas se pisgue do redil. Curiosamente, é uma questão de estatística. Em Portugal baptiza-se quase tudo à nascença, aos sete anos faz-se a primeira comunhão e aos 15 despacha-se o crisma - como se fosse possível aos sete alguém compreender a profundidade da eucaristia e aos 15 estar em condições de afirmar a maturidade da sua fé. Esta juvenília religiosa é boa para se chegar aos noventa e tal por cento de católicos em Portugal, mas leva a que aos 15 esteja feita a licenciatura cristã e que aos 18 já só haja jovens no coro. O preço que se paga é muito alto: ficam apenas fiapos de fé. E por isso Fátima enche, enquanto as igrejas se esvaziam.

sábado, 10 de novembro de 2007

Leituras

LEITURA I

2 Mac 7, 1-2.9-14
«O Rei do universo ressuscitar-nos-á para a vida eterna»

Leitura do Segundo Livro dos Macabeus

Naqueles dias, foram presos sete irmãos, juntamente com a mãe, e o rei da Síria quis obrigá-los, à força de golpes de azorrague e de nervos de boi, a comer carne de porco proibida pela Lei judaica. Um deles tomou a palavra em nome de todos e falou assim ao rei: «Que pretendes perguntar e saber de nós? Estamos prontos para morrer, antes que violar a lei de nossos pais». Prestes a soltar o último suspiro, o segundo irmão disse: «Tu, malvado, pretendes arrancar-nos a vida presente, mas o Rei do universo ressuscitar-nos-á para a vida eterna, se morrermos fiéis às suas leis». Depois deste começaram a torturar o terceiro. Intimado a pôr fora a língua, apresentou-a sem demora e estendeu as mãos resolutamente, dizendo com nobre coragem: «Do Céu recebi estes membros e é por causa das suas leis que os desprezo, pois do Céu espero recebê-los de novo». O próprio rei e quantos o acompanhavam estavam admirados com a força de ânimo do jovem, que não fazia nenhum caso das torturas. Depois de executado este último, sujeitaram o quarto ao mesmo suplício. Quando estava para morrer, falou assim: «Vale a pena morrermos às mãos dos homens, quando temos a esperança em Deus de que Ele nos ressuscitará; mas tu, ó rei, não ressuscitarás para a vida».

Palavra do Senhor.


SALMO RESPONSORIAL

Salmo 16 (17), 1.5-6.8b.15 (R. cf. 15b)
Refrão: Senhor, ficarei saciado,
quando surgir a vossa glória. Repete-se

Ouvi, Senhor, uma causa justa,
atendei a minha súplica.
Escutai a minha oração,
feita com sinceridade. Refrão

Firmai os meus passos nas vossas veredas,
para que não vacilem os meus pés.
Eu Vos invoco, ó Deus, respondei-me,
ouvi e escutai as minhas palavras. Refrão

Protegei-me à sombra das vossas asas,
longe dos ímpios que me fazem violência.
Senhor, mereça eu contemplar a vossa face
e ao despertar saciar-me com a vossa imagem. Refrão


LEITURA II

2 Tes 2, 16 – 3, 5
«O Senhor vos torne firmes em toda a espécie
de boas obras e palavras»

Leitura da Segunda Epístola do apóstolo São Paulo aos Tessalonicenses

Irmãos: Jesus Cristo, nosso Senhor, e Deus, nosso Pai, que nos amou e nos deu, pela sua graça, eterna consolação e feliz esperança, confortem os vossos corações e os tornem firmes em toda a espécie de boas obras e palavras. Entretanto, irmãos, orai por nós, para que a palavra do Senhor se propague rapidamente e seja glorificada, como acontece no meio de vós. Orai também, para que sejamos livres dos homens perversos e maus, pois nem todos têm fé. Mas o Senhor é fiel: Ele vos dará firmeza e vos guardará do Maligno. Quanto a vós, confiamos inteiramente no Senhor que cumpris e cumprireis o que vos mandamos. O Senhor dirija os vossos corações, para que amem a Deus e aguardem a Cristo com perseverança.

Palavra do Senhor.


ALELUIA Ap 1, 5a.6b
Refrão: Aleluia. Repete-se
Jesus Cristo é o Primogénito dos mortos.
A Ele a glória e o poder pelos séculos dos séculos. Refrão


EVANGELHO – Lc 20, 27-38
«Não é um Deus de mortos, mas de vivos»

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas

Naquele tempo, aproximaram-se de Jesus alguns saduceus – que negam a ressurreição – e fizeram-lhe a seguinte pergunta: «Mestre, Moisés deixou-nos escrito: ‘Se morrer a alguém um irmão, que deixe mulher, mas sem filhos, esse homem deve casar com a viúva, para dar descendência a seu irmão’. Ora havia sete irmãos. O primeiro casou-se e morreu sem filhos. O segundo e depois o terceiro desposaram a viúva; e o mesmo sucedeu aos sete, que morreram e não deixaram filhos. Por fim, morreu também a mulher. De qual destes será ela esposa na ressurreição, uma vez que os sete a tiveram por mulher?». Disse-lhes Jesus: Os filhos deste mundo casam-se e dão-se em casamento. Mas aqueles que forem dignos de tomar parte na vida futura e na ressurreição dos mortos, nem se casam nem se dão em casamento. Na verdade, já não podem morrer, pois são como os Anjos, e, porque nasceram da ressurreição, são filhos de Deus. E que os mortos ressuscitam, até Moisés o deu a entender no episódio da sarça ardente, quando chama ao Senhor ‘o Deus de Abraão, o Deus de Isaac e o Deus de Jacob’. Não é um Deus de mortos, mas de vivos, porque para Ele todos estão vivos».

Palavra da salvação.

terça-feira, 6 de novembro de 2007

Sacrifícios Ambientais!!!!!


"A maioria das pessoas está disposta a fazer sacrifícios pessoais, como por exemplo pagar combustíveis mais caros, com o objectivo de diminuir o impacto das alterações climáticas"


Esta era a notícia apresentada hoje num jornal português... Sim senhor temos cidadãos conscientes... que maravilha.

Esta questão do impacto nas alterações climáticas por vezes assume contornos de ridiculo. Já repararam que sempre que se fala em melhorar o ambiente se refere que um aumento das contribuições sobre os combustíveis ou as industrias poluidoras... Como se esse fosse um verdadeiro sacrifício... Quem é rico... pode continuar a poluir (são só mais uns euros para manter o nível de conforto)... mas quem é pobre esse sim vê-se diminuído.

É claro que também há algumas figuras públicas que afirmam fazer sacrifícios pelo ambiente e até se declaram grandes defensores da natureza... e isto porque... imaginem... fazem reciclagem...

Que ridiculo que tudo isto é... falam de sacrifícios... Pois sacrifício será quando todos tivermos de reduzir o nosso consumo de água, tivermos de abdicar de parte do nosso conforto, tivermos de restrigir as nossas viagens ao estritamente essencial... e como profeta da desgraça... acreditem que esse dia virá.

Por agora... aumentam-se os impostos... afinal é a maneira mais fácil!!!!

segunda-feira, 5 de novembro de 2007

POR UM MUNDO MAIS LIVRE E MAIS JUSTO


O ano de 2019 foi o momento de todas as vitórias para as organizações de defesa da liberdade, saúde e direitos humanos. Logo em Janeiro foi finalmente aprovada a directiva comunitária exigindo a eliminação de todos os brinquedos alusivos a armas. Este documento veio na sequência da campanha internacional contra perigos na infância que, começada em 2012, já impusera o capacete permanente nos bebés.Esta directiva de defesa da família impõe, como as anteriores, castigos pesados aos pais que permitirem às crianças ter armas a brincar. Castigos que podem ir até à retirada dos filhos. "Negligência é violência" é a célebre frase de Vladimir Sarkazeth, czar da Rússia que detém a presidência rotativa da União Continental: "A União vai dedicar toda a sua atenção à violência familiar, um flagelo que vamos erradicar por todas as formas, até nas brincadeiras", assegurou.Muito significativo foi que, duas semanas depois, se tenha dado finalmente a consagração do sadomasoquismo como orientação sexual reconhecida pela ONU. Isto logo no ano após o Prémio Nobel ser atribuído a dois investigadores da Califórnia que identificaram a homossexualidade como a forma mais igualitária de matrimónio. Congratulando-se com a eliminação do terrível tabu contra o sadomasoquismo, o director da poderosa FreeSex, a maior ONGD do mundo, afirmou: "A sociedade parece ter vencido velhos preconceitos contra a violência. A violência é simplesmente a forma suprema do amor."No final da conferência de imprensa este dirigente lembrou a velha luta pela justiça sexual: "É urgente a verdadeira igualdade para todas as orientações. O sadomasoquista corre grandes riscos de saúde na sua expressão violenta da afectividade. Encontra-se por isso desfavorecido e necessita de apoio adicional." Assim continuará a promoção das chamadas "salas de chuto", onde os sadomasoquistas se podem dedicar às suas práticas em adequadas condições sanitárias.Talvez o facto mais marcante do ano de 2019 tenha sido o avanço na luta contra o flagelo da obesidade. Desde que o tabagismo foi classificado como crime contra a Humanidade e equiparado a genocídio, houve grande discussão sobre que prática lhe sucederia como "principal causa evitável de morte". A tentativa de incluir o aborto e a eutanásia foi recusada porque eles já figuram entre os direitos humanos fundamentais. Deste modo foi decidido que seria a obesidade a ocupar essa posição, o que lhe concedeu grande exposição mediática.Por enquanto ainda se mantém controversa e, por isso, facultativa a exigência de todos os obesos usarem um cartaz ao pescoço dizendo "comer mata" ou "banha é crime". Mas a decisão tomada há cinco anos de proibir a venda de alimentos com alto teor de gordura a menores de 18 anos, sujeitando-a a licença especial acima dessa idade, começa a dar frutos. De facto, pela primeira vez desde que foi calculado, o "índice de engordamento global" reduziu a sua taxa de aceleração.Um campo onde os esforços ainda têm longo caminho a percorrer é a luta contra a pobreza. Isto apesar dos êxitos assinaláveis, como o fecho de centenas de instituições de solidariedade social por falta de condições. É incrível como, em pleno século XXI, ainda há lares e creches sem toalhetes de papel, música ambiente e acesso à Internet e TV Cabo. Paradoxalmente, este êxito da inspecção foi acompanhado por um aumento súbito dos sem-abrigo nessas cidades. "Isto apenas fortalece o nosso empenhamento neste magno objectivo planetário", afirmou a secretária-geral da ONU, Camila Nguyoon, no final da maior iniciativa humanitária do ano.Essa foi a principal realização de 2019: o cordão humano que uniu Paris e Berlim, como prova da determinação dos povos europeus na construção de um mundo mais livre e mais justo. Foi marcante que esse movimento tenha mobilizado um número de pessoas 3% superior ao da magna manifestação pela erradicação da tradição islâmico-judeu-cristã que, com o mesmo lema - "Por um mundo mais livre e mais justo" - se realizou na semana anterior em Roma.

João César das Neves, professor universitário

quinta-feira, 1 de novembro de 2007

Apocalipse de João

Ola Amigos. encontrei este discurso sobre o Livro do Apocalipse e achei por bem partilhar convosco. um abraço em Cristo.


DISCURSO DO CARDEAL TARCISIO BERTONE
POR OCASIÃO DA EXPOSIÇÃO
SOBRE O LIVRO DE SÃO JOÃO:
«APOCALIPSE. A ÚLTIMA REVELAÇÃO»

Salão Sistino dos Museus do Vaticano
Quinta-feira, 18 de Outubro de 2007

Senhores Cardeais
Excelentíssimo Presidente do Governatorato
do Estado da Cidade do Vaticano
Excelências Reverendíssimas
Senhores Embaixadores
Senhor Director dos Museus do Vaticano
Ilustres Autoridades
Senhores e Senhoras

É com alegria que participo nesta cerimónia com que se inaugura uma exposição de importância singular, e desejo manifestar em primeiro lugar o meu sincero agradecimento àqueles que puseram à disposição energias, competências e meios para nos oferecer um apreciado itinerário artístico e teológico, intitulado: "Apocalipse. A última Revelação". Saúdo com deferência os Senhores Cardeais e os prezados co-irmãos no Episcopado aqui presentes, os Excelentíssimos Senhores Embaixadores junto da Santa Sé de numerosos países, as Autoridades civis e militares, as personalidades e os benfeitores que quiseram estar presentes neste acto tão solene.

Dirijo uma saudação especial ao Excelentíssimo Presidente do Governatorato, D. Giovanni Lajolo, e depois a todos os presentes, com particular reconhecimento aos corais que desejaram alegrar esta cerimónia, colocando-nos deste modo em continuidade ideal com o novo cântico dos remidos, descrito pelas páginas do Apocalipse. Gostaria de agradecer, entre muitos outros, ao Dr. Francesco Buranelli, Director dos Museus do Vaticano, que quis realizar aqui esta exposição, e através da pessoa do seu Presidente, o Rev.mo Mons. Angelo Zanello e do animador incansável, Pe. Alessio Geretti, quero agradecer à Comissão de San Floriano de Illegio e a toda a população de Illegio, da Carnia e do Friuli que, em conjunto, deram vida a esta exposição. O nosso agradecimento é grande também em relação aos representantes das numerosas instituições do Vaticano e da Itália, que ofereceram a sua colaboração para preparar a excelente exposição que estamos prestes a visitar.

No percurso predisposto no Salão Sistino poder-se-á admirar mais de cem obras-primas provenientes de alguns dos principais museus do mundo, que ajudarão os visitantes a reler e a compreender o último livro da Sagrada Escritura. Nele, o vidente João dirige-se às Igrejas que estão na Ásia Éfeso, Esmirna, Pérgamo, Tiátira, Sardi, Filadélfia e Laodiceia e idealmente à Igreja inteira, exortando os discípulos de Jesus a permanecerem firmes na fé e a não se deixarem seduzir, nem amedrontar pelos poderes malignos deste mundo, aparentemente aniquiladores, mas na realidade destinados à falência.

Portanto, o Apocalipse não é como muitas vezes se considera o inquietante anúncio de um epílogo catastrófico pelo caminho da humanidade, mas a grandiosa proclamação da falência das forças infernais e do mistério de Cristo morto e ressuscitado como salvação para a história e para o cosmos.

A leitura do Apocalipse, como a visão do Juízo Universal na Capela Sistina, desperta indubitavelmente uma emoção na alma. Mas trata-se da emoção do enlevo, da majestade e da misericórdia surpreendente que vêm ao nosso encontro, e não do arrepio tétrico e desesperado da ruína e do medo. Estas páginas e estas obras de arte não nos querem assustar, mostrando-nos as cenas da eternidade: pelo contrário, querem recordar-nos a vida que aqui na terra se consome e que todos os dias nós impregnamos com a qualidade dos nossos gestos.

Ler no Apocalipse o anúncio da Ressurreição final é em si uma consolação e uma forma de justiça. Não podemos esquecer que o mundo só será justo quando os mortos ressuscitarem, quando todas as feridas forem curadas, todas as lágrimas enxugadas, quando todos os discursos interrompidos forem retomados, e atendidos todos os desejos de bem. Neste sentido, a visão da Jerusalém celeste não é apenas a última parte do Apocalipse e da exposição, mas inclusivamente uma exigência lógica, um postulado da moralidade e uma condição imprescindível para que falar de justiça possa ter algum sentido.

Outra característica positiva do Apocalipse que se compreende com clareza somente se for lida de uma só vez, como a exposição no Salão Sistino propõe e permite pode ser descrita de maneira adequada, orientando o coração para a excelsa poesia do texto mais longo, imaginário e sugestivo da Missa de Requiem, sabiamente citado nos painéis da exposição, como uma obra de arte entre as outras. Dos cinco poemas que o Missal conservava sob o nome de Sequências, o Dies Irae, de Tomás de Celano, é o último; o primeiro é o Victimae Paschali. Um refere-se ao outro: o primeiro é para o último o que a Ressurreição de Cristo é para a ressurreição universal, dado que constitui o seu tema e a sua causa.

"Aquele dia, o dia da ira...": pois bem, a tradição cristã latina aprendeu do Apocalipse que a ira divina deve ser cantada precisamente e só para narrar a sua dissolução e a sua subversão através do amor do Anjo inocente, que se ofereceu para o nosso resgate. Isto compreende-se na estratégia narrativa do Apocalipse, quer no percurso artístico das obras expostas, quer no Dies Irae. As primeiras sete estrofes desta oração medieval descrevem o terrível cenário da vinda do Soberano no Juízo Final. No entanto, a partir da oitava estrofe tem lugar, precisamente, a inversão: este Juiz agora por nós chamado Jesus é exactamente Aquele que salva sem qualquer motivo, "gratuitamente". E precisamente porque não tem justificações, o homem deve ser salvo por Alguém que o ame com um amor puro: em síntese, por um amor digno de Deus!

Portanto, o que acontece quando lemos o Apocalipse e admiramos a sua tradução encantadora, feita de imagens que muitos artistas nos deixaram como herança? Significa que devemos sair desta leitura ou do nosso Salão Sistino com a certeza no coração, de que a última palavra na nossa aventura terrestre, pessoal e colectiva, não pertence à morte nem ao mal.

E enquanto a confissão da nossa fé significa a expectativa do encontro supremo e definitivo da humanidade com Deus em Cristo, as páginas apocalípticas, as gravuras e as pinturas que descrevem as sublevações da terra e dos povos preparam-nos sabiamente para a rejeição radical de qualquer outra realidade como possível realização do mundo e do homem. O Apocalipse ajuda a conservar o coração livre das infinitas seduções que querem encantar o mundo com mil sortilégios, oferecendo-lhe aquilo que somente em Deus ele poderá encontrar. Não esqueçamos: como dizia o grande Agostinho, o Senhor criou para si o nosso coração, e este não terá paz enquanto não descansar nele".

No entanto, aqui na terra, desde o princípio da vicissitude humana até ao advento das núpcias finais, o bem e o mal enfrentam-se no cenário sublime e ao mesmo temo terrível deste mundo. E é precisamente por ele que, no final, seremos libertados e protegidos irrevogavelmente da falibilidade, da ignorância, do cansaço, da velhice, do sofrimento e da vaidade, mas sobretudo da possibilidade de pecar, da absurda possibilidade de preferir uma criatura ao Criador. Eis, então, que a imagem da Jerusalém celeste, feita de ouro incorruptível e guarnecida de jóias como o magnífico relicário de Tournai, que podemos ver aqui exposto é a imagem da glória que desce do alto até às vísceras da terra, ou seja, até às fibras do nosso ser total alma e corpo quando nada mais oporá alguma resistência. E isto aconteceu imediatamente com Maria Santíssima e Imaculada, porque nela nada jamais opôs resistência ao amor a Deus.

Então, não nos resta que dirigir consolados o olhar para a beleza do texto do Apocalipse, a oração da Igreja e as obras dos artistas.

Concluo, sublinhando que sem dúvida esta exposição, além de ser preciosa pelas mensagens propostas, constitui um "unicum" do seu género, também porque os Museus do Vaticano a receberam e acolheram, depois de ela já ter sido exposta numa pequena aldeia dos alpes cárnicos, Illegio, a terra da Comissão de San Floriano. Visitei aquele povoado montanhês, onde pude inaugurar esta exposição: Illegio não é uma metrópole, nem uma histórica capital da arte. Mas é um lugar onde a fé e a arte se encontraram na terra fértil do coração das pessoas, pois garanto-o porque verifiquei isto pessoalmente esta exposição é uma realidade da população, fruto de um compromisso assumido por muitas pessoas que desejavam prestar um serviço ao Evangelho, à difusão do pensamento cristão, à promoção dos tesouros de beleza e de tradição cristã da sua terra friulana e, de certa maneira, de toda a Europa. Por isso, que o Senhor os abençoe e os anime a continuarem com muito entusiasmo.

Seja permitido aos visitantes desta exposição, dos Museus do Vaticano e a todos nós estes são os meus bons votos que através da admiração destas obras de arte, sejamos levados ao encontro com o Senhor Jesus e possamos reconhecer toda a sua beleza fulgurante. Confio estes votos à intercessão celestial da Virgem Maria Imaculada e do Arcanjo São Miguel, que na narração do Apocalipse nos são descritos em virtude do Redentor vitoriosos sobre o imenso Dragão. A humildade do seu serviço a Deus foi o instrumento que lhes permitiu realizar a obra daquele que nos quer tornar partícipes da sua glória para sempre: o Rei dos reis, o Senhor dos senhores, uma maravilha aos nossos olhos.

terça-feira, 30 de outubro de 2007

SANTOS

Amigos,
Aqui ficam as leituras de próxima quinta-feira, solenidade de Todos os Santos.
Comentem a vossa santidade...
Um abraço em Cristo.
O vosso animador.
LEITURA I Ap 7, 2-4.9-14
Leitura do Apocalipse de São João
Eu, João, vi um Anjo que subia do Nascente, trazendo o selo do Deus vivo. Ele clamou em alta voz aos quatro Anjos a quem foi dado o poder de causar dano à terra e ao mar:«Não causeis dano à terra, nem ao mar, nem às árvores, até que tenhamos marcado na fronte os servos do nosso Deus». E ouvi o número dos que foram marcados: cento e quarenta e quatro mil, de todas as tribos dos filhos de Israel. Depois disto, vi uma multidão imensa, que ninguém podia contar, de todas as nações, tribos, povos e línguas. Estavam de pé, diante do trono e na presença do Cordeiro, vestidos com túnicas brancas e de palmas na mão. E clamavam em alta voz:«A salvação ao nosso Deus, que está sentado no trono, e ao Cordeiro». Todos os Anjos formavam círculo em volta do trono, dos Anciãos e dos quatro Seres Vivos. Prostraram-se diante do trono, de rosto por terra, e adoraram a Deus, dizendo:«Amen! A bênção e a glória, a sabedoria e a acção de graças, a honra, o poder e a força ao nosso Deus, pelos séculos dos séculos. Amen!». Um dos Anciãos tomou a palavra e disse-me:«Esses que estão vestidos de túnicas brancas, quem são e de onde vieram?». Eu respondi-lhe:«Meu Senhor, vós é que o sabeis». Ele disse-me:«São os que vieram da grande tribulação, os que lavaram as túnicas e as branquearam no sangue do Cordeiro».
Palavra do Senhor
LEITURA II 1 Jo 3, 1-3
Leitura da Primeira Epístola de São João
Caríssimos: Vede que admirável amor o Pai nos consagrou em nos chamar filhos de Deus. E somo-lo de facto. Se o mundo não nos conhece, é porque não O conheceu a Ele. Caríssimos, agora somos filhos de Deus e ainda não se manifestou o que havemos de ser. Mas sabemos que, na altura em que se manifestar, seremos semelhantes a Deus, porque O veremos tal como Ele é. Todo aquele que tem n’Ele esta esperança purifica-se a si mesmo, para ser puro, como Ele é puro.
Palavra do Senhor
EVANGELHO Mt 5, 1-12a
Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus
Naquele tempo, ao ver as multidões, Jesus subiu ao monte e sentou-Se. Rodearam-n’O os discípulos e Ele começou a ensiná-los, dizendo:«Bem-aventurados os pobres em espírito, porque deles é o reino dos Céus. Bem-aventurados os humildes, porque possuirão a terra. Bem-aventurados os que choram, porque serão consolados. Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque serão saciados. Bem-aventurados os misericordiosos, porque alcançarão misericórdia. Bem-aventurados os puros de coração, porque verão a Deus. Bem-aventurados os que promovem a paz, porque serão chamados filhos de Deus. Bem-aventurados os que sofrem perseguição por amor da justiça, porque deles é o reino dos Céus. Bem-aventurados sereis, quando, por minha causa, vos insultarem, vos perseguirem e, mentindo, disserem todo o mal contra vós. Alegrai-vos e exultai, porque é grande nos Céus a vossa recompensa».
Palavra da salvação.

segunda-feira, 29 de outubro de 2007

Contento-me com a Simpatia

Eu aprendi a contentar-me com a simpatia. Encontra-se mais facilmente e, depois, não nos impõe nenhum compromisso. «Creia na minha simpatia», no discurso interior precede imediatamente «e agora ocupemo-nos de outra coisa». É um sentimento de presidente de Conselho: obtém-se muito barato, depois das catástrofes. A amizade é menos simples. A sua aquisição é longa e difícil, mas, quando se obtém, já não há meio de nos desembaraçarmos dela, temos de fazer frente.

Albert Camus, in 'A Queda'

Estava a pesquisar umas coisas na internet e deparei-me com este site muito interessante... Se querem reflectir um pouco ou apenas fazer boa figura citando alguém... deêm uma vista de olhos. http://www.citador.pt/ Vale a pena...

quinta-feira, 25 de outubro de 2007

O justo e o justificado

Olá amigos searenses,
Pois é, o nosso blog está receber cada vez mais visitas, ainda bem.
Hoje deixo-vos as leituras do próximo Domingo, o 28º do tempo comum do ano C. Aproveitem e comentem, para que o nosso blog fique ainda mais rico.
Um grande abraço em Cristo
O vosso animador
Leitura do Livro de Ben-Sirá
O Senhor é um juiz que não faz acepção de pessoas. Não favorece ninguém em prejuízo do pobre e atende a prece do oprimido. Não despreza a súplica do órfão nem os gemidos da viúva. Quem adora a Deus será bem acolhido e a sua prece sobe até às nuvens. A oração do humilde atravessa as nuvens e não descansa enquanto não chega ao seu destino. Não desiste, até que o Altíssimo o atenda, para estabelecer o direito dos justos e fazer justiça.
Leitura da Segunda Epístola do apóstolo São Paulo a Timóteo
Caríssimo:Eu já estou oferecido em libação e o tempo da minha partida está iminente. Combati o bom combate, terminei a minha carreira, guardei a fé. E agora já me está preparada a coroa da justiça, que o Senhor, justo juiz, me há-de dar naquele dia; e não só a mim, mas a todos aqueles que tiverem esperado com amor a sua vinda. Na minha primeira defesa, ninguém esteve a meu lado:todos me abandonaram. Queira Deus que esta falta não lhes seja imputada. O Senhor esteve a meu lado e deu-me força, para que, por meu intermédio, a mensagem do Evangelho fosse plenamente proclamada e todas as nações a ouvissem; e eu fui libertado da boca do leão. O Senhor me livrará de todo o mal e me dará a salvação no seu reino celeste. Glória a Ele pelos séculos dos séculos. Amen.
Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas
Naquele tempo,Jesus disse a seguinte parábola para alguns que se consideravam justos e desprezavam os outros:«Dois homens subiram ao templo para orar; um era fariseu e o outro publicano. O fariseu, de pé, orava assim:‘Meu Deus, dou-Vos graças por não ser como os outros homens, que são ladrões, injustos e adúlteros, nem como este publicano. Jejuo duas vezes por semana e pago o dízimo de todos os meus rendimentos’. O publicano ficou a distância e nem sequer se atrevia a erguer os olhos ao Céu; mas batia no peito e dizia:‘Meu Deus, tende compaixão de mim, que sou pecador’. Eu vos digo que este desceu justificado para sua casa e o outro não.Porque todo aquele que se exalta será humilhado e quem se humilha será exaltado».

segunda-feira, 22 de outubro de 2007

Apaixonados

Para todos os apaixonados deixo aqui esta partilha de um texto da nossa Bíblia Sagrada, com uma dedicatória especial para a minha amada.

"Ele
Ah! Como és bela, minha amiga!
Como estás linda! Teus olhos são pombas,
por detrás do teu véu.
O teu cabelo é como um rebanho de cabras
que descem do monte Guilead;
os teus dentes são um rebanho de ovelhas,
a subir do banho, tosquiadas:
todas elas deram gémeos
e nenhuma ficou sem filhos.
Como fita escarlate são teus lábios
e o teu falar é encantador;
as tuas faces são metades de romã,
por detrás do teu véu.
O teu pescoço é como a torre de David
erguida para troféus:
dela pendem mil escudos,
tudo broquéis dos heróis.
Os teus dois seios são dois filhotes
gémeos de uma gazela
que se apascentam entre os lírios,
antes que rebente o dia e as sombras desapareçam.
Quero ir ao monte da mirra
e à colina do incenso.
Toda bela és tu, ó minha amada,
e em ti defeito não há.
Vem do Líbano, esposa,
vem do Líbano, aproxima-te.
Desce do cimo de Amaná,
do cume de Senir e do Hermon,
dos esconderijos dos leões,
das tocas dos leopardos.
Roubaste-me o coração, minha irmã e minha noiva,
roubaste-me o coração com um dos teus olhares,
com uma só conta do teu colar.
Como são doces as tuas carícias, minha irmã e noiva!
Muito melhores que vinho são as tuas carícias;
mais forte que todos os odores
é a fragrância dos teus perfumes.
Os teus lábios destilam doçura, ó minha noiva;
há mel e leite sob a tua língua,
e o aroma dos teus vestidos
é como o aroma do Líbano.
És um jardim fechado, minha irmã e minha esposa,
um jardim fechado, uma fonte selada.
Os teus rebentos são um pomar de romãzeiras
com frutos deliciosos,
com alfenas e nardos,
nardo e açafrão,
cálamo e canela,
com toda a espécie de árvores de incenso,
mirra e aloés,
com todos os bálsamos escolhidos.
És fonte de jardim, nascente de água viva
que jorra desde o Líbano."
(Ct. 4, 1-15)

Um abraço em Cristo.

sábado, 20 de outubro de 2007

Palavra de Deus

Ola Amigos, aqui fica a Palavra de Deus deste domingo. um abraço em Cristo para todos.

LEITURA I Ex 17, 8-13
«Quando Moisés erguia as mãos, Israel ganhava vantagem»

Leitura do Livro do Êxodo

Naqueles dias, Amalec veio a Refidim atacar Israel. Moisés disse a Josué: «Escolhe alguns homens e amanhã sai a combater Amalec. Eu irei colocar-me no cimo da colina, com a vara de Deus na mão». Josué fez o que Moisés lhe ordenara e atacou Amalec, enquanto Moisés, Aarão e Hur subiram ao cimo da colina. Quando Moisés tinha as mãos levantadas, Israel ganhava vantagem; mas quando as deixava cair, tinha vantagem Amalec. Como as mãos de Moisés se iam tornando pesadas, trouxeram uma pedra e colocaram-na por debaixo para que ele se sentasse, enquanto Aarão e Hur, um de cada lado, lhe seguravam as mãos. Assim se mantiveram firmes as suas mãos até ao pôr do sol e Josué desbaratou Amalec e o seu povo ao fio da espada.

Palavra do Senhor.


SALMO RESPONSORIAL Salmo 120 (121), 1-8 (R. cf. 2)

Refrão: O nosso auxílio vem do Senhor, que fez o céu e a terra. Repete-se

Levanto os meus olhos para os montes:
donde me virá o auxílio?
O meu auxílio vem do Senhor,
que fez o céu e a terra. Refrão

Não permitirá que vacilem os teus passos,
não dormirá Aquele que te guarda.
Não há-de dormir nem adormecer
Aquele que guarda Israel. Refrão

O Senhor é quem te guarda,
o Senhor está a teu lado, Ele é o teu abrigo.
O sol não te fará mal durante o dia,
nem a lua durante a noite. Refrão

O Senhor te defende de todo o mal,
o Senhor vela pela tua vida.
Ele te protege quando vais e quando vens,
agora e para sempre. Refrão


LEITURA II 2 Tim 3, 14 – 4, 2
«O homem de Deus será perfeito,
bem preparado para todas as boas obras»

Leitura da Segunda Epístola do apóstolo São Paulo a Timóteo

Caríssimo: Permanece firme no que aprendeste e aceitaste como certo, sabendo de quem o aprendeste. Desde a infância conheces as Sagradas Escrituras; elas podem dar-te a sabedoria que leva à salvação, pela fé em Cristo Jesus. Toda a Escritura, inspirada por Deus, é útil para ensinar, persuadir, corrigir e formar segundo a justiça. Assim o homem de Deus será perfeito, bem preparado para todas as boas obras. Conjuro-te diante de Deus e de Jesus Cristo, que há-de julgar os vivos e os mortos, pela sua manifestação e pelo seu reino: Proclama a palavra, insiste a propósito e fora de propósito, argumenta, ameaça e exorta, com toda a paciência e doutrina.

Palavra do Senhor.


ALELUIA Hebr 4, 12
Refrão: Aleluia. Repete-se
A palavra de Deus é viva e eficaz,
pode discernir os pensamentos
e intenções do coração. Refrão


EVANGELHO Lc 18, 1-8
«Deus fará justiça aos seus eleitos, que por Ele clamam»

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas

Naquele tempo, Jesus disse aos seus discípulos uma parábola sobre a necessidade de orar sempre sem desanimar: «Em certa cidade vivia um juiz que não temia a Deus nem respeitava os homens. Havia naquela cidade uma viúva que vinha ter com ele e lhe dizia: ‘Faz-me justiça contra o meu adversário’. Durante muito tempo ele não quis atendê-la. Mas depois disse consigo: ‘É certo que eu não temo a Deus nem respeito os homens; mas, porque esta viúva me importuna, vou fazer-lhe justiça, para que não venha incomodar-me indefinidamente’». E o Senhor acrescentou: «Escutai o que diz o juiz iníquo!... E Deus não havia de fazer justiça aos seus eleitos, que por Ele clamam dia e noite, e iria fazê-los esperar muito tempo? Eu vos digo que lhes fará justiça bem depressa. Mas quando voltar o Filho do homem, encontrará fé sobre a terra?».

Palavra da salvação.

quinta-feira, 18 de outubro de 2007

Do Profundo Abismo clamo por vós Senhor

Ola Amigos como sabem uma das principais vertentes da vida de seminário é a Vida de Oração, em especial a vida de oração através da celebração diária dos sacramentos, mas também da oração à imitação de Jesus, e como o Senhor orava muito com base nos salmos, sendo que esta preferência do Senhor Jesus se encontra expressa nas inúmeras referências que os evangelhos fazem aos salmos, também nós que procuramos mais intimamente seguir a Cristo também fazemos da oração dos Salmos a nossa oração, e nisso que consiste o Ofício Divino, também chamado de Liturgia das Horas. deixo-vos aqui um dos Salmos que eu mais gosto.


Salmo 129

Do profundo abismo clamo por Vós, Senhor,
Senhor, escutai a minha voz.
Estejam os vossos ouvidos atentos
à voz da minha súplica.


Se tiverdes em conta as nossas faltas,
Senhor, quem poderá salvar-se?
Mas em Vós está o perdão,
para Vos servirmos com reverência.


Eu confio no Senhor,
a minha alma espera na sua palavra.
A minha alma espera pelo Senhor
mais do que as sentinelas pela aurora.

Porque no Senhor está a misericórdia
e com Ele abundante redenção.
Ele há-de libertar Israel
de todas as suas faltas.


Um Abraço em Cristo para todos

terça-feira, 16 de outubro de 2007

Diferentes palavras... a mesma fé.

Pois é queridos amigos, pegando na ideia do meu homónimo, este é um meio privilegiado para nos mantermos em contacto e divulgarmos as nossas experiências.
É nesse sentido que vos escrevo este post.
Esta experiência de estar “desterrado” numa terra distante tem sido muito interessante… se por um lado sinto saudades de casa, dos amigos, dos hábitos criados, por outro é um mundo totalmente novo à descoberta… Tenho em particular visto novas formas de viver a fé, pois como sabem a maioria da população da Roménia é cristã… mas Ortodoxa. Reparei por exemplo que os ortodoxos dão muito significado aos ritos, às imagens (icons), aos símbolos… As igrejas são lindíssimas… com frescos de tirar as palavras… Mas também vi que o essencial da mensagem de Cristo está lá… ou não fossem eles cristãos.
Também há católicos-romanos na Roménia…por exemplo a cidade onde vivo, Arad, tem uma igreja lindíssima em que o patrono é nem mais nem menos que o nosso Santo António. A fé é a mesma… apenas formas distintas de vivê-la… se calhar estou a cometer uma heresia a escrever isto desta forma, mas não interessa… o que importa é que a Mensagem de Amor que Cristo transmitiu se perpetua no tempo e no espaço… As palavras são diferentes… mas a fé é a mesma…


Tatal nostru
Care esti in ceruri
Sfinteasca-se numele Tau
Vie imparatia Ta
Faca-se voia Ta
Precum in cer asa si pre Pamant
Painea noastra cea de toate zilele
Da-ne-o noua astazi
Si ne iarta noua gresalele noastre
Precum si noi iertam gresitilor nostri
Si nu ne duce pre noi in ispita
Ci ne izbaveste de cel rau
Ca a Ta este imparatia
Slava si puterea
In numele Tatalui
Al Fiului
Al Sfantului Duh
Amin.

sexta-feira, 12 de outubro de 2007

Abertura de mais um ano

Caros amigos,
Para aqueles 5 ou 6 searenses que visitam o nosso blogue (eu espero que venham muitos mais) aqui fica o convite para participarem no inicio de mais um ano da Seara. Será no próximo Domingo dia 14 às 18 horas na nossa "casa". Os animadores estão muito empenhados por isso apareçam, porque vai valer muito a pena.
Um grande abraço em Cristo.
David

quinta-feira, 11 de outubro de 2007

1001

Parabéns amigos
Já ultrapassámos as 1000 visitas ao nosso blogue, é claro que só eu venho cá quase todos os dias. Vamos ser ainda mais participativos e visitar ainda mais esta nossa página.
E não se esqueçam, esta pode ser uma forma priveligiada de comunicarmos com aqueles que estão mais longe (quero lembrar em especial o David e o Mário).
Um abraço grande em Cristo para cada um de vós.
David

quarta-feira, 10 de outubro de 2007

Palavra de Deus 28º Domingo Tempo Comum

Caros amigos, retomando o hábito da publicação no nosso blogue das leituras dominicais, aqui ficam as leituras do próximo Domingo (sábado), o 28º do Tempo Comum.
Espero que sirvam para uma melhor reflexão da palavra de Deus.
Um abraço em Cristo
Leitura do Segundo Livro dos Reis (2Reis 5, 14-17)
Naqueles dias,o general sírio Naamã desceu ao Jordão e aí mergulhou sete vezes, como lhe mandara Eliseu, o homem de Deus. A sua carne tornou-se tenra como a de uma criança e ficou purificado da lepra. Naamã foi ter novamente com o homem de Deus, acompanhado de toda a sua comitiva. Ao chegar diante dele, exclamou:«Agora reconheço que em toda a terra não há outro Deus senão o de Israel. Peço-te que aceites um presente deste teu servo». Eliseu respondeu-lhe:«Pela vida do Senhor que eu sirvo,nada aceitarei». E apesar das insistências, ele recusou. Disse então Naamã:«Se não aceitas, permite ao menos que se dê a este teu servo uma porção de terra para um altar, tanto quanto possa carregar uma parelha de mulas, porque o teu servo nunca mais há-de oferecer holocausto ou sacrifício a quaisquer outros deuses, mas apenas ao Senhor, Deus de Israel».
Leitura da Segunda Epístola do apóstolo São Paulo a Timóteo (2Tim 2,8-13)
Caríssimo:Lembra-te de que Jesus Cristo, descendente de David, ressuscitou dos mortos, segundo o meu Evangelho, pelo qual eu sofro, até ao ponto de estar preso a estas cadeias como um malfeitor. Mas a palavra de Deus não está encadeada. Por isso, tudo suporto por causa dos eleitos, para que obtenham a salvação que está em Cristo Jesus, com a glória eterna. É digna de fé esta palavra:Se morremos com Cristo, também com Ele viveremos; se sofremos com Cristo, também com ele reinaremos; se O negarmos, também Ele nos negará; se Lhe formos infiéis, Ele permanece fiel, porque não pode negar-Se a Si mesmo.
Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas (Lc 17,11-19)
Naquele tempo, indo Jesus a caminho de Jerusalém, passava entre a Samaria e a Galileia. Ao entrar numa povoação, vieram ao seu encontro dez leprosos. Conservando-se a distância, disseram em alta voz:«Jesus, Mestre, tem compaixão de nós». Ao vê-los, Jesus disse-lhes:«Ide mostrar-vos aos sacerdotes». E sucedeu que no caminho ficaram limpos da lepra. Um deles, ao ver-se curado,voltou atrás, glorificando a Deus em alta voz,e prostrou-se de rosto por terra aos pés de Jesus para Lhe agradecer. Era um samaritano. Jesus, tomando a palavra, disse:«Não foram dez que ficaram curados? Onde estão os outros nove? Não se encontrou quem voltasse para dar glória a Deus senão este estrangeiro?»E disse ao homem:«Levanta-te e segue o teu caminho; a tua fé te salvou».

terça-feira, 9 de outubro de 2007

Dá-nos sempre desse pão

Ora bem, por incrível que pareça, desta vez não venho aqui refilar, avisar ou dar testemunho... desta vez venho dar os meus PARABÉNS pelo empenho que colocaram na Feira da Criança... a dedicação que todos deram durante a semana e o esforço despendido por todos foi sem dúvida receita para o sucesso...

Dá-nos sempre desse Pão, foi o mote deste ano e espero que esse Pão que pedimos seja o alento que precisamos para avançar e não deixar morrer esta caminhada... E como tal, para a semana encontramo-nos para retomar o nosso ano...

Mais uma vez... obrigado a todos!!!

segunda-feira, 1 de outubro de 2007

Reflexão

"Não temos experiência directa de Deus. As nossas mentes e os nossos corações limitados não conseguem abarcar o infinito. Mas acreditamos que Deus trabalha em nós, e sentimos o efeito no nosso coração. Temos consciência que vamos além de nós próprios, de várias formas, nem todas consoladoras. Por exemplo, sentimos necessidade de Deus quando realizamos a nossa incompetência, o nosso vazio, o nosso fracasso. Não me posso tornar naquilo que deveria ser. O meu coração não tem descanso até descansar em Deus. Esta fome, esta sede e este desejo é um tema recorrente ao longo dos Salmos: Salmo 22, De dia eu grito, meu Deus, e não me respondes ,grito de noite, e não fazes caso de mim!; Salmo 42, Como a corça suspira pelas águas correntes, assim a minha alma anseia por Ti, ó meu Deus! A minha alma tem sede de Deus, do Deus vivo; Salmo 63: Ó Deus, Tu és o meu Deus, por Ti madrugo. A minha alma tem sede de Ti, a minha carne deseja-Te com ardor, como terra seca, esgotada e sem água. Sim, eu contemplava-Te no santuário, vendo o teu poder e a tua glória. O teu amor vale mais do que a vida: os meus lábios Te louvarão. Vou bendizer-Te durante toda a minha vida, e ao teu Nome levantar as minhas mãos. Vou saciar-me de azeite e gordura, e, com sorrisos, a minha boca Te louvará. Quando me lembro de Ti, no meu leito, passo vigílias a meditar em Ti, pois Tu foste um socorro para mim, e, à sombra das tuas asas, eu grito de alegria. A minha alma está ligada a Ti, e a tua direita me sustenta. " "

Uma partilha de "Lugar Sagrado"

sábado, 29 de setembro de 2007

AS DÚVIDAS DE CRENTES E NÃO CRENTES

AS DÚVIDAS DE CRENTES E NÃO CRENTES Anselmo Borgespadre e professor de Filosofia


As dúvidas de Madre Teresa de Calcutá quanto à existência de Deus parece que afligiram mais os não crentes do que os crentes.Na obra recém-publicada Mother Teresa: Come Be My Light - Madre Teresa: vem e sê a minha luz -, com correspondência da religiosa célebre, aparece uma Madre Teresa em profunda crise espiritual, que chega a duvidar da existência de Deus. "O silêncio e o vazio são tão grandes que olho mas não vejo, escuto mas não oiço, a língua move-se durante a oração mas não fala", escreveu numa das cartas.Aquele Cristo que ela, na entrega do Prémio Nobel da Paz, declarou que "está nos nossos corações, nos pobres que encontramos, no sorriso que oferecemos e no que recebemos", deixou-a no vazio espiritual durante parte de uma vida torturada pela sua ausência. Houve então quem chegasse a pôr em questão a sinceridade de Madre Teresa e a verdade da sua vida. Teria ela colocado uma máscara? E se a sua existência não tivesse passado de hipocrisia?Também alguns crentes, incluindo clérigos, sentiram um abalo profundo, vindo a terreiro com declarações no sentido de que não tinha tido dúvidas. Tratar-se-ia apenas de uma prova de Deus e daquela ausência de consolação que a fé concede. Mas não escreveu São Tomás de Aquino, doutor da Igreja, que a fé convive com a dúvida? Sem esta convivência, ainda seria fé?Não falaram os místicos maiores - Teresa de Ávila, João da Cruz - da "noite escura"? Também Santa Teresa de Lisieux, outra doutora da Igreja, foi assaltada pela tentação da dúvida, parecendo-lhe, nas vésperas de morrer, que lhe diziam: "Crês que um dia sairás das trevas que te rodeiam. Avança! Avança! Alegra-te com a morte, que te dará não o que esperas, mas uma noite mais profunda ainda, a noite do nada."O cardeal Julián Herranz veio lembrar que estas crises são normais: "A vida dos santos está cheia de confissões parecidas, pessoas que provaram o deserto da noite da fé." E lembrou Jesus, que do alto da cruz rezou: "Meu Deus, meu Deus, porque me abandonaste?" Bento XVI, que, no antigo campo de concentração nazi de Auschwitz, tinha perguntado onde estava Deus enquanto acontecia todo aquele inominável horror do Holocausto e porque é que se manteve em silêncio, relembrou, a propósito de Madre Teresa, que "todos os crentes sabem sobre o silêncio de Deus." Como dizia o filósofo Unamuno, nem mesmo o crente mais crente deixa de ser atravessado pela dúvida nem o descrente mais descrente por um "talvez". Também o teólogo Joseph Ratzinger escreveu: "O crente e o não crente participam, cada um à sua maneira, na dúvida e na fé. Nem um nem outro podem subtrair-se completamente à dúvida e à fé. Talvez precisamente a dúvida, que impede um e outro de se fecharem totalmente em si mesmos, pudesse tornar-se o lugar da comunicação. Ela evita que ambos girem exclusivamente à volta de si próprios; abre o crente ao que duvida e o que duvida ao que crê; para o primeiro, ela é a sua participação no destino do não crente, para o outro, a forma como a fé, apesar de tudo, permanece nele um desafio."Deus não é evidente e a fé não tem a certeza da lógica ou das ciências empírico-matemáticas. Como diz o próprio étimo - fides -, a fé é confiança, isto é, entrega confiada a alguém - no caso da fé religiosa, a Deus. Tem razões e a segurança própria da confiança. É casada com a esperança e o amor, em co-implicação: a fé alimenta a esperança e o amor, a esperança anima uma e outro, o amor e a esperança confirmam e aprofundam a fé.Acreditar em Deus implica acreditar no Homem, sendo, por vezes, mais fácil acreditar em Deus do que acreditar no Homem. Como podia Madre Teresa, no meio da miséria bruta e degradante - a "lixeira" da Humanidade - ficar imune à dúvida?Como ela dizia, para lá da pobreza material, a pobreza maior é a de não ser amado, querido e viver em solidão. Então, a prova e o milagre da fé de Madre Teresa foi o amor vivo, numa dedicação incondicional e sem desânimo, aos mais pobres dos pobres. A fé é um combate que se ganha no amor.

terça-feira, 25 de setembro de 2007

Festa de aniversário


Olá amigos searenses!
Só quero expressar a minha alegria pela presença de tantos de nós ontem no aniversário do Mário no seminário de caparide. Para mim e para a minha família foi muito gratificante o vosso carinho, a vossa alegria e a vossa presença nesta festa, neste momento tão diferente que estamos a viver. Sei que também o Mário gostou de vos ter lá... mas quanto a isso as palavras deverão ser dele.
Muito obrigado de todos nós, pais, irmão, cunhada, tios e primos.
Um grande abraço em Cristo,
David
Ps: Achei que seria engraçado esta imagem do gato e do rato :)

domingo, 16 de setembro de 2007

Ola Amigos... enquanto estava por aqui encontrei um texto que gostava de partilhar convosco... é um sermão de Santo Agostinho sobre o seu ministério... que um dia talvez seja também o meu (o de presbitero, não o de bispo... lol)
"Desde o momento em que foi colocado sobre os meus ombros este cargo de tanta responsabilidade, atormenta me a preocupação da dignidade que a acompanha. De facto, o que há de mais temível neste ministério é o perigo de nos satisfazer mais o seu aspecto honorífico do que a sua utilidade para a vossa salvação. Mas se por um lado me atemoriza o que sou para vós, por outro lado consola me o que sou convosco. Sou bispo para vós, sou cristão convosco. Aquele nome significa um encargo recebido, este exprime o dom da graça; aquele é ocasião de perigo, este é caminho de salvação.Na nossa actividade episcopal sentimo nos como num mar imenso e tempestuoso; mas quando recordamos Aquele que nos remiu com o seu sangue, é como se entrássemos num porto seguro e tranquilo; e se o cumprimento dos deveres próprios do nosso ministério exige trabalho e esforço, o dom de ser cristão, do qual participamos convosco, representa o nosso descanso. Portanto, se me agrada mais o pensamento de ter sido resgatado convosco do que o de ter sido constituído vosso chefe espiritual, então devo entregar me mais generosamente ao vosso serviço, segundo o mandato do Senhor, para não ser indigno do preço pelo qual mereci ser vosso irmão no serviço de Deus. De facto, devo amar o Redentor e sei o que Ele disse a Pedro: Pedro, amas me? Apascenta as minhas ovelhas. E disse o uma, duas, três vezes. Interrogava sobre o amor e impunha o trabalho, porque, quanto maior é o amor, menor é o trabalho.Que retribuirei ao Senhor por tudo quanto Ele me concedeu? Se disser que devo retribuir com o ministério de apascentar as suas ovelhas, esqueceria que isso o faço, não eu, mas a graça de Deus comigo. Como retribuirei ao Senhor, se n’Ele está a origem de todas as minhas obras?E, todavia, apesar de amarmos desinteressadamente e de apascentarmos gratuitamente as suas ovelhas, como podemos esperar uma recompensa? Como é possível conciliar estas duas coisas: «Apascento, porque amo gratuitamente» e «Espero a recompensa porque apascento?». De modo nenhum seria possível, de modo algum esperaria a recompensa d’Aquele que é amado gratuitamente, se a recompensa não fosse Aquele mesmo que é amado. Se Lhe retribuímos o dom da redenção apascentando as suas ovelhas, que havemos de retribuir por nos ter constituído pastores? Efectivamente, maus pastores – queira Deus que nunca o sejamos – somo lo por nossa culpa; ao passo que bons pastores – queira Deus que sempre o sejamos – não o podemos ser sem a sua graça. Por isso, meus irmãos, vos exortamos a que não recebais a graça de Deus em vão. Fazei que seja frutuoso o nosso ministério. Sois a agricultura de Deus. Recebei a actuação exterior daquele que planta e rega, e a acção interior d’Aquele que faz crescer. Ajudai nos com a vossa oração e com a vossa obediência, de modo que encontremos maior alegria em ser vossos servos do que em ser vossos chefes." Santo Agostinho século V

sábado, 15 de setembro de 2007

A Agenda volta a atacar

Amigos, amigos

Cá estou eu de volta... Os testemunhos já os deixei... mas para não ficarem desabituados e a dar saltos de alegria, voltei para vos recordar algumas coisinhas, que muitos já se devem ter esquecido!!!

Ora bem, começando por uma ordem cronológica, vamos lá recapitular... (ah e não se esqueçam de responder com a vossa presença ou "ausença" em cada uma das coisas que vou referir...)

15 de Setembro (hoje), 21:15 - Reunião de Preparação da Feira da Criança para todos aqueles que querem colaborar na realização da mesma. Vem ajudar a fazer tradição!!!

16 de Setembro

16:00 - Não se esqueçam do convite do David para irmos a casa dele, pois ele faz anos e vai embora no dia seguinte, por isso temos de lá ir festejar estes dois eventos...
18:00 - Início do Conselho Local com a divisão por funções (pensei já onde querem render os vossos talentos) em que cada função fará a sua proposta de calendarização das actividades. às 19:30 uma pausa para jantar, retomando os trabalhos às 21:00 para reunir tudo num só calendário e preparar um ano em grande e de qualidade!!!


22 de Setembro - Gala de Início do Ano - IV Lulas de Ouro, os prémios que distinguem os momentos do ano e os seus intervenientes... Começa depois da Eucaristia. É uma noite de óscares, por isso a ideia é passarmos todo o glamour de Hollywood... façam um esforço, estas coisas são muito mais engraçadas quando todos nos empenhamos e entramos no espírito!!!


05 de Outubro - Encontro Nacional da Família Vicentina, em Fátima... reservem já o dia porque precisamos de todos. A Seara de Cristo foi escolhida para representar um pequeno sketch e são precisos 12 elementos, por isso contamos com todos...


07 de Outubro - Feira da Criança


E por agora fico-me por aqui, mas quero receber a vossa resposta com as confirmações das presenças ou "ausenças"... =P

Adios

Atenciosamente
Agenda Pessoal Bruno Coelho

quarta-feira, 12 de setembro de 2007

Alegremo-nos...

Amigos...

Esta segunda-feira que passou foi um momento muito importante não só para o nosso grupo, mas também para toda a nossa comunidade cristã. O Mário decidiu arriscar e seguir o Senhor mais de perto... é um grande desafio e como tal devemos apoiá-lo o melhor que pudermos. Primeiro que tudo com a nossa oração, mas não nos devemos também esquecer de lhe transmitirmos a nossa amizade.

Força Mário...

Coisas...

Caríssimos...

Desta vez é que não tenho hipotese de me esquivar (acho eu...). Ganhei como prenda de anos uma viagem à Roménia (com regresso em aberto) e como gostei muito da prenda gostava de partilhar convosco a minha despedida.
Aproveitando o facto de fazer anos no domingo e de partir na segunda gostaria que passassem por minha casa no domingo à tarde (16h30 - 17h00) para uns agradáveis momentos de convívio.

Um abraço

David

terça-feira, 11 de setembro de 2007

Tempo de crescer... tempo de frutificar...

Há alturas na vida em que tudo parece correr bem... o vento sopra a favor e sentimos que podemos ir mais longe... Pois bem, para mim, esta é uma dessas alturas... Depois de viver a maravilhosa experiência da Peregrinação às Fontes, que me encheu de uma vitalidade e fé como eu nunca tinha sentido, seguiu-se o Encontro Nacional... arriscar ir... voltar aquele que era para mim um Encontro magnífico, mas que aos poucos foi perdendo a magia... Contudo, este ano voltou a ganhar toda a magia que tivera em tempos...

Não julguem as coisas antes de as experimentarem, ou até mesmo porque tiveram uma primeira má experiência... de certeza absoluta que vocês não fazem sempre tudo bem à primeira... Só vos dou um Conselho, arrisquemos uma ida ao Encontro Nacional no próximo ano... uma ida todos em conjunto, pois quando se vai em grupo tudo tem mais sentido, mais cor, mais magia...

E para culminar em beleza... o Acampamento da Seara de Cristo... Eu fui!!! Posso orgulhar-me de ter sido um dos 12 elementos da Seara de Cristo que partilharam esta semana em corpo e alma, porque os restantes estiveram sempre lá presentes connosco, como é normal em qualquer actividade que participemos!!!


O Acampa'Seara 2007 (isto foi a maneira como eu o baptizei, lol), foi sem dúvida um sucesso, e se tudo aquilo que lá foi dito se cumprir, meus amigos... vamos ter um ano de sucesso tremendo!!! Por isso, pessoal que foi... olhem a responsabilidade!!! Quanto aos que não poderam estar presentes, não fiquem tristes... deixem-se contagiar com a nossa energia e vontade de crescer com Ele e alegrem-se na nossa alegria...


Acho que vou ficar por aqui, restando apenas dizer que sou mais JMV que alguma vez fui, sou mais Seara de Cristo que alguma vez fui e acima de tudo, sou mais Cristão do que alguma vez fui...
Um grande abraço do vosso amigo...

Bruno Coelho

quinta-feira, 30 de agosto de 2007

Gosto por ser JMV...

Ainda bem que a Peregrinação às Fontes da JMV se repetiu passados tantos anos...
Quando o Grupo JMV se iniciou na Achada uma das primeiras e grandes actividades que realizámos foi exactamente a Peregrinação... eramos todos uns "teenagers inconscientes"... mas o certo é que toda a magia daqueles lugares nos marcou... e marcou-nos de tal maneira que desde então alguns (e não poucos...) ainda se dizem JMV's apesar de mais afastados...
Hoje posso dizer que os anos mais bonitos da minha vida (conversa de velho...) foram passados neste ambiente de JMV. Aliás, muito do que sou hoje se deve à JMV... mas o recíproco também pode e deve ser verdade... muito do que a JMV é ou pode vir a ser depende de mim. De mim... de ti... de todos os que nos dizemos JMV...
Aproxima-se um momento importante para o nosso Grupo... não deixem de participar na Oração de amanhã... vamos sentir a alegria do anúncio daqueles que estiveram lá... e vamos também participar na vida do Grupo empenhando-nos por dar o nosso melhor...

Um abraço em Cristo

sexta-feira, 24 de agosto de 2007

peregrinaçao as fontes

ola a todos, como sabem eu o coelho e a sara fomos em peregrinaçao às fontes do nosso movimento e foi uma experiencia maravilhosa. Usando as palavras do coelho, hoje sinto-me mais JMV que nunca, nao imaginei que esta viagem podesse alterar tanto o meu sentimento pelo movimento, nunca foi muito ligada a JMV, ou secalhar nunca fiz um esforço para isso e agora sinto que isso mudou, por diversos motivos, nao vos vou contar tudo aqui, para tentar transmitir-vos o que sinto pessoalmente.
So vos digo que foi maravilhoso chegara Dax (terra natal de S.Vicente) e ter uma irma que so falava frances, mas que ao explicarnos tudo com o amor, com a devoçao, a admiraçao que sente por Vicente se fazia entender so com o brilho dos seus olhos. Mas isto nao foi o melhor, espero sinceramente que todos tenham a oportunidade de irem a igreja na casa das irmas na Rue Du Bac ( onde Nossa Sra apareceu a catarina), nunca tive num sitio assim, nem tenho palavras para exprimir o que senti, foi maravilhoso, que experiencia de fé, de espiritualidade.
Por agora fico por aqui, na esperança de vos poder transmitir tudo o que vivi nestes dias de peregrinaçao.
fiquem bem em Cristo
Cátia P.

segunda-feira, 20 de agosto de 2007

Experiência de uma vida!!!

Olá amigos...

Como sabem, eu, a Cátia e a Sara estivemos fora... fomos conhece as fontes da nossa JMV... (espero que tenham rezado por nós assim como nós rezámos por vocês)

Devo confessar que inicialmente, quando me inscrevi para participar na Peregrinação, não foi de todo o facto de ir às fontes que mais me motivou (e penso que falo pelos 3, quando digo isto)... Paris e a Eurodisney eram as coisas que mais me fascinavam...

Agora estou de volta... e sim, Paris é uma cidade mágica e a Eurodisney é um reino de fantasia trés magnifique!!! Mas isso não foi o ponto alto desta peregrinação... Entrar na Capela da Medalha Milagrosa, isso sim foi magia...

Não consigo explicar o que senti quando entrei ali dentro, mas uma paz invadiu o meu coração e de repente, nem Paris, nem Disney, nem Torre Eiffel ou Arco do Triunfo, nada disso importava naquele momento...

Ali, naquele altar, Nossa Senhora concedeu-nos a honra de recebermos todas as graças!!! Ali naquele altar Nossa Senhora pdiu a Catarina que formasse uma Associação de Jovens... e sabem de uma coisa muito espectacular??? Nós somos membros integrantes desse pedido que Maria fez... A JMV é esse movimento... Já se aperceberam que têm a honra de pertencer a uma associação que é um pedido exclusivo da mãe do salvador??? Não pertencemos a uma associação cuja iniciativa de criação vem de comuns mortais... somos membros da associação que a nossa Mãe, Maria Santíssima pediu!!!

Depois há São Vicente... fiquei fascinado com o poder que este homem ainda tem em França... ele está por todo o lado... É arrepiante estar em frente ao corpo de São Vicente, porque a sua expressão está de uma serenidade tao contagiante que parece que vai abrir os olhos a qualquer momento... passaria horas a olhar para aquele túmulo...

E antes de voltar a casa, uma paragem em Lurdes... Não posso dizer que fiquei maravilhado... acho que consigo encontrar mais oração em Fátima... mas não deixa de ser um local de fé, e poder tocar nas paredes da gruta onde Nossa Senhora apareceu a Santa Bernardete, rezar por nós nessa mesma gruta, foi inesquecível...

Mas sem dúvida que a Rue du Bac vai ficar para sempre gravada na minha memória... e uma coisa vos garanto... sou mais JMV do que alguma vez fui!!!

Um dos objectivos desta peregrinação é que quem foi consiga contagiar quem ficou... isto foi só o começo, porque nós queremos, que vocês sintam o apelo também e para isso mesmo vamos fazer uma oração, onde tudo será contado com tanta emoção, fervor e fé que todos sentirão vontade de lá ir... não deixem de estar presentes na oração que será dedicada a vocês... tenho a certeza que a oração que fizemos por vós na Capela Milagrosa terá muita força...

Saudações em Cristo

Bruno Coelho

segunda-feira, 23 de julho de 2007

A maneira certa de perder a Vida

Estava a passar os olhos pelo DN e deparei com esta reflexão... acho que é muito actual e dá-nos que pensar...

Vivemos tempos muito estranhos. Na rotina passa despercebido, mas ficaremos na História como uma das idades mais insólitas. Prova disso é o facto de esta sociedade confirmar uma das frases mais assombrosas da humanidade.O nosso tempo é aquele em que mais gente se esforça por ganhar a sua vida. A ideologia dominante é a da realização pessoal, concretização de sonhos, promoção de projectos, carreiras, ideais, paixões. Manifestar a sua ambição é direito inalienável e decisivo de todos. Não a conseguir é miséria inaceitável. Da publicidade à educação, da ficção à política, tudo assegura que afirmar-se pessoalmente, impor a sua personalidade, ter sucesso, ganhar a vida é o sumo bem. O prazer é erigido em valor supremo e objectivo primordial. Pelo contrário, o pior crime é limitar a expressão alheia, prejudicar os sonhos de juventude, impedir o florescimento da liberdade. Vivemos o tempo da exaltação do apetite.Desse ardor ingénuo e cândido surge o fiasco. Porque os sonhos são sempre inatingíveis, as carreiras embatem em mil obstáculos, os projectos distorcem-se ao crescer. Assim, a grande maioria gasta a vida e desperdiça a felicidade em busca de uma ilusão a que julgava ter direito, mas que nunca atinge. A pirâmide alargou e elevou a base, mas continua tão afilada quanto antes. A nossa sociedade deixou de ser composta por humildes que não se atreviam a sonhar. Passou a ser de frustrados ruminando sonhos precocemente empolados.Aqueles poucos que vislumbram o objecto dos seus anseios reconhecem que ele é muito mais pálido e desinteressante do que parecia à distância. Os sonhos e projectos só são belos vistos de longe. A cor da realidade tem tendência a fazê-los fenecer. Afinal não era bem isto que a gente queria. Alguns desistem desanimados, outros buscam novas demandas, mas todos acabam desiludidos. Eles não sabem que o sonho, afinal, não comanda a vida.Esses são os afortunados, porque os mais infelizes alcançam e sentem-se realizados pelo que aspiravam. E então reduzem-se à tacanhez da sua ambição, ficam escravos dos seus desejos. Deixar-se deslizar para o marasmo do contentamento é viver a morte em vida. Confundindo embriaguez com felicidade, mergulham cegos no torvelinho do prazer asfixiante que, para se manter, exige novidades sempre mais perversas, acabando por devorar a própria identidade.A multidão desiludida vive a contemplação de uma elite de satisfeitos, suposta prova da ideologia dominante. Mas televisões e revistas não escondem as vidas esfarrapadas, a vacuidade e tolice dos famosos. Quanto mais se sabe sobre os poucos que dizem ter ganho a vida, tanto mais se mostra a perda radical que sofreram. Esta lição, sucessivamente repetida, tem de demonstrar alguma coisa, mesmo que a cegueira não o admita.Há dois mil anos foi dito: "quem quiser salvar a sua vida há-de perdê-la; mas, quem perder a sua vida por minha causa há-de salvá-la." (Mt 16, 25; Mc 8, 35; Lc 9, 24; cf. Jo 12, 25). Não se tratou de um conselho sábio, provocação tola ou oráculo paradoxal, pois ninguém entregou a sua vida de forma tão radical e depois a salvou tão espectacularmente. Discípulos ou inimigos têm de reconhecer que Jesus Cristo viveu e morreu por esta frase.Os vários séculos confrontaram- -se com a profecia da sua primeira parte, mas a dureza dos tempos recusava meios para a verificar. Só a prosperidade da sociedade do consumo e era da informação trouxe recursos para tentar a experiência, vendo depois as massas perderem-se na busca insana de salvar a vida. Hoje sabemos que, afinal, a frase não fixava um castigo. Limitava-se a constatar um erro: o egoísmo queima, o prazer cega, até o altruísmo seca.Felizmente, hoje como sempre, brilha também a verdade da segunda parte: o desprendimento e alegria da entrega total ao Bem absoluto. A felicidade de se saber, como todos, pessoalmente dilecto da divindade, que é Amor. A sabedoria na vida está em renunciar alegremente a si mesmo e aceitar cada passo, sorver cada percalço desta Via Sacra como um dom eterno.
J. César das Neves

terça-feira, 17 de julho de 2007

A melhor parte!



Aproveito, mais uma vez para partilhar convosco as leituras dominicais, agora as do 16º Domingo do tempo comum. Quero apenas dizer-vos que este evangelho sempre me intrigou, realmente às vezes ando tão atarefado com tantas coisas e preocupado com outras que muitas vezes me esqueço do mais importante, que é a partilha do amor e da amizade e da união a Jesus Cristo, pois ele é o verdadeiro Salvador.

Um abraço em Cristo.
O ainda vosso animador.

LEITURA I – Gen 18,1-10a
Leitura do Livro do Génesis

Naqueles dias, o Senhor apareceu a Abraão junto do carvalho de Mambré. Abraão estava sentado à entrada da sua tenda, no maior calor do dia. Ergueu os olhos e viu três homens de pé diante dele. Logo que os viu, deixou a entrada da tenda e correu ao seu encontro; prostrou-se por terra e disse: «Meu Senhor, se agradei aos vossos olhos, não passeis adiante sem parar em casa do vosso servo. Mandarei vir água, para que possais lavar os pés e descansar debaixo desta árvore. Vou buscar um bocado de pão, para restaurardes as forças antes de continuardes o vosso caminho, pois não foi em vão que passastes diante da casa do vosso servo». Eles responderam: «Faz como disseste». Abraão apressou-se a ir à tenda onde estava Sara e disse-lhe: «Toma depressa três medidas de flor da farinha, amassa-a e coze uns pães no borralho». Abraão correu ao rebanho e escolheu um vitelo tenro e bom e entregou-o a um servo que se apressou a prepará-lo. Trouxe manteiga e leite e o vitelo já pronto e colocou-o diante deles; e, enquanto comiam, ficou de pé junto deles debaixo da árvore. Depois eles disseram-lhe: «Onde está Sara, tua esposa?». Abraão respondeu: «Está ali na tenda». E um deles disse: «Passarei novamente pela tua casa daqui a um ano e então Sara tua esposa terá um filho».

SALMO RESPONSORIAL – Salmo 14 (15)

Refrão: Quem habitará, Senhor, no vosso santuário?
O que vive sem mancha e pratica a justiçae diz a verdade que tem no seu coraçãoe guarda a sua língua da calúnia.O que não faz mal ao seu próximo,nem ultraja o seu semelhante,o que tem por desprezível o ímpio,mas estima os que temem o Senhor.O que não falta ao juramento mesmo em seu prejuízoe não empresta dinheiro com usura,nem aceita presentes para condenar o inocente.Quem assim proceder jamais será abalado.

LEITURA II – Col 1,24-28
Leitura da Epístola do apóstolo São Paulo aos Colossenses

Irmãos:
Agora alegro-me com os sofrimentos que suporto por vós e completo na minha carne o que falta à paixão de Cristo, em benefício do seu corpo que é a Igreja. Dela me tornei ministro, em virtude do cargo que Deus me confiou a vosso respeito, isto é, anunciar em plenitude a palavra de Deus, o mistério que ficou oculto ao longo dos séculos e que foi agora manifestado aos seus santos. Deus quis dar-lhes a conhecer as riquezas e a glória deste mistério entre os gentios: Cristo no meio de vós, esperança da glória. E nós O anunciamos, advertindo todos os homens e instruindo-os em toda a sabedoria, a fim de os apresentarmos todos perfeitos em Cristo.

EVANGELHO – Lc 10,38-42

Evangelho de Nosso senhor Jesus Cristo segundo São Lucas

Naquele tempo, Jesus entrou em certa povoação e uma mulher chamada Marta recebeu-O em sua casa.Ela tinha uma irmã chamada Maria, que, sentada aos pés de Jesus, ouvia a sua palavra. Entretanto, Marta atarefava-se com muito serviço. Interveio então e disse: «Senhor, não Te importas que minha irmã me deixe sozinha a servir? Diz-lhe que venha ajudar-me». O Senhor respondeu-lhe: «Marta, Marta, andas inquieta e preocupada com muitas coisas, quando uma só é necessária. Maria escolheu a melhor parte, que não lhe será tirada».

segunda-feira, 16 de julho de 2007

Momento de Reflexão

Neste momento em que todos precisamos de reflectir sobre que futuro para o nosso grupo e em que as escolhas de alguns, nomeadamente as minhas, alteram as necessidades da Seara deixo-vos uma oração. é um longo discurso de Jesus para o Seu Pai. se o quiserem localizar vão a Jo 17 1 e seguintes

«Pai, chegou a hora! Manifesta a glória do teu Filho, de modo que o Filho manifeste a tua glória, 2segundo o poder que lhe deste sobre toda a Humanidade, a fim de que dê a vida eterna a todos os que lhe entregaste. 3Esta é a vida eterna: que te conheçam a ti, único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem Tu enviaste. 4Eu manifestei a tua glória na Terra, levando a cabo a obra que me deste a realizar. 5E agora Tu, ó Pai, manifesta a minha glória junto de ti, aquela glória que Eu tinha junto de ti, antes de o mundo existir.

6Dei-te a conhecer aos homens que, do meio do mundo, me deste. Eles eram teus e Tu mos entregaste e têm guardado a tua palavra. 7Agora ficaram a saber que tudo quanto me deste vem de ti, 8pois as palavras que me transmitiste Eu lhas tenho transmitido. Eles receberam-nas e reconheceram verdadeiramente que Eu vim de ti, e creram que Tu me enviaste. 9É por eles que Eu rogo. Não rogo pelo mundo, mas por aqueles que me confiaste, porque são teus. 10Tudo o que é meu é teu e o que é teu é meu; e neles se manifesta a minha glória.

11Doravante já não estou no mundo, mas eles estão no mundo, e Eu vou para ti. Pai santo, Tu que a mim te deste, guarda-os em ti, para serem um só, como Nós somos! 12Enquanto estava com eles, Eu guardava-os em ti, em ti que a mim te deste. Guardei-os e nenhum deles se perdeu, a não ser o homem da perdição, cumprindo-se desse modo a Escritura. 13Mas agora vou para ti e, ainda no mundo, digo isto para que eles tenham em si a plenitude da minha alegria. 14Entreguei-lhes a tua palavra, e o mundo odiou-os, porque eles não são do mundo, como também Eu não sou do mundo. 15Não te peço que os retires do mundo, mas que os livres do Maligno. 16De facto, eles não são do mundo, como também Eu não sou do mundo.

17Faz que eles sejam teus inteiramente, por meio da Verdade; a Verdade é a tua palavra. 18Assim como Tu me enviaste ao mundo, também Eu os enviei ao mundo, 19e por eles totalmente me entrego, para que também eles fiquem a ser teus inteiramente, por meio da Verdade.

20Não rogo só por eles, mas também por aqueles que hão-de crer em mim, por meio da sua palavra, 21para que todos sejam um só, como Tu, Pai, estás em mim e Eu em ti; para que assim eles estejam em Nós e o mundo creia que Tu me enviaste. 22Eu dei-lhes a glória que Tu me deste, de modo que sejam um, como Nós somos Um. 23Eu neles e Tu em mim, para que eles cheguem à perfeição da unidade e assim o mundo reconheça que Tu me enviaste e que os amaste a eles como a mim.

24Pai, quero que onde Eu estiver estejam também comigo aqueles que Tu me confiaste, para que contemplem a minha glória, a glória que me deste, por me teres amado antes da criação do mundo.

25Pai justo, o mundo não te conheceu, mas Eu conheci-te e estes reconheceram que Tu me enviaste. 26Eu dei-lhes a conhecer quem Tu és e continuarei a dar-te a conhecer, a fim de que o amor que me tiveste esteja neles e Eu esteja neles também.»


sexta-feira, 13 de julho de 2007

Quem é o meu próximo?


Olá amigos searenses,
Pois é, parece que este blog continua morto, está a precisar de uma animação pelo Espírito Santo. Como o boletim dominical parece que está de férias, tomei a iniciativa de postar as leituras do próximo Domingo que é já o 15º do tempo comum, deste ano C. Este Domingo surge um evangelho bem interessante que é o do Bom Samaritano, que é a resposta de Jesus à pergunta “Quem é o meu próximo?”
Afinal como vocês também são o meu próximo deixo-vos o desafio de partilharmos alguma reflexão sobre estas leituras.

Um grande abraço em Cristo Salvador.
O vosso animador próximo.

LEITURA I – Deut 30,10-14
Leitura do Livro do Deuteronómio

Moisés falou ao povo, dizendo: «Escutarás a voz do Senhor teu Deus, cumprindo os seus preceitos e mandamentos que estão escritos no Livro da Lei, e converter-te-ás ao Senhor teu Deus com todo o teu coração e com toda a tua alma. Este mandamento que hoje te imponho não está acima das tuas forças nem fora do teu alcance. Não está no céu, para que precises de dizer: ‘Quem irá por nós subir ao céu, para no-lo buscar e fazer ouvir, a fim de o pormos em prática?’. Não está para além dos mares, para que precises de dizer: ‘Quem irá por nós transpor os mares, para no-lo buscar e fazer ouvir, a fim de o pormos em prática?’.
Esta palavra está perto de ti, está na tua boca e no teu coração, para que a possas pôr em prática».

LEITURA II – Col 1,15-20
Leitura da Epístola do apóstolo São Paulo aos Colossenses

Cristo Jesus é a imagem de Deus invisível, o Primogénito de toda a criatura;porque n’Ele foram criadas todas as coisas no céu e na terra, visíveis e invisíveis, Tronos e Dominações, Principados e Potestades: por Ele e para Ele tudo foi criado. Ele é anterior a todas as coisas e n’Ele tudo subsiste. Ele é a cabeça da Igreja, que é o seu corpo. Ele é o Princípio, o Primogénito de entre os mortos; em tudo Ele tem o primeiro lugar. Aprouve a Deus que n’Ele residisse toda a plenitude e por Ele fossem reconciliadas consigo todas as coisas, estabelecendo a paz, pelo sangue da sua cruz, com todas as criaturas na terra e nos céus.

EVANGELHO – Lc 10,25-37
Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas

Naquele tempo, levantou-se um doutor da lei e perguntou a Jesus para O experimentar: «Mestre,que hei-de fazer para receber como herança a vida eterna?» Jesus disse-lhe: «Que está escrito na lei? Como lês tu?» Ele respondeu: «Amarás o Senhor teu Deus com todo o teu coração e com toda a tua alma, com todas as tuas forças e com todo o teu entendimento; e ao próximo como a ti mesmo». Disse-lhe Jesus: «Respondeste bem. Faz isso e viverás».
Mas ele, querendo justificar-se, perguntou a Jesus: «E quem é o meu próximo?» Jesus, tomando a palavra, disse: «Um homem descia de Jerusalém para Jericó e caiu nas mãos dos salteadores. Roubaram-lhe tudo o que levava, espancaram-no e foram-se embora, deixando-o meio morto. Por coincidência, descia pelo mesmo caminho um sacerdote; viu-o e passou adiante. Do mesmo modo, um levita que vinha por aquele lugar, viu-o e passou adiante. Mas um samaritano, que ia de viagem, passou junto dele e, ao vê-lo, encheu-se de compaixão. Aproximou-se, ligou-lhe as feridas deitando azeite e vinho, colocou-o sobre a sua própria montada, levou-o para uma estalagem e cuidou dele. No dia seguinte, tirou duas moedas, deu-as ao estalajadeiro e disse: ‘Trata bem dele; e o que gastares a mais eu to pagarei quando voltar’.
Qual destes três te parece ter sido o próximo daquele homem que caiu nas mãos dos salteadores?» O doutor da lei respondeu: «O que teve compaixão dele». Disse-lhe Jesus: «Então vai e faz o mesmo».

terça-feira, 3 de julho de 2007

Pastores


Este blog tem andado, parece-me algo parado. Porém acho que é um instrumento bonito que temos ao nosso dispor e portanto procuro tirar algum benefício para o nosso grupo de reflexão. Quero partilhar convosco um texto que seleccionei para a reunião que não nos foi possível realizar no outro Domingo, penso, no entanto, que interessante, dada a celebração de próximo Domingo a partilha sobre este tema do que é ser padre.

3. Os presbíteros, tirados dentre os homens e constituídos a favor dos homens nas coisas que se referem a Deus, para oferecerem dons e sacrifícios pelos pecados, convivem fraternalmente com os restantes homens. Assim também, o Senhor Jesus, Filho de Deus, enviado pelo Pai como homem para o meio dos homens, habitou entre nós e quis assemelhar-se em tudo aos seus irmãos, menos no pecado. Já os Apóstolos o imitaram, e S. Paulo doutor das gentes, «escolhido para anunciar o Evangelho de Deus» (Rom: 1,1) atesta que se fez tudo para todos, para salvar a todos. Os presbíteros do Novo Testamento, em virtude da vocação e ordenação, de algum modo são segregados dentro do Povo de Deus, não para serem separados dele ou do qualquer homem, mas para se consagrarem totalmente à obra para que Deus os chama. Não poderiam ser ministros de Cristo se não fossem testemunhas e dispensadores duma vida diferente da terrena, e nem poderiam servir os homens se permanecessem alheios à sua vida e às suas situações. O seu próprio ministério exige, por um título especial, que não se conformem a este mundo; mas exige também que vivam neste mundo entre os homens e, como bons pastores, conheçam as suas ovelhas e procurem trazer aquelas que não pertencem a este redil, para que também elas oiçam a voz de Cristo e haja um só rebanho e um só pastor. Para o conseguirem, muito importam as virtudes que justamente se apreciam no convívio humano, como são a bondade, a sinceridade, a fortaleza de alma e a constância, o cuidado assíduo da justiça, a delicadeza, e outras que o Apóstolo Paulo recomenda quando diz: «Tudo quanto é verdadeiro, tudo quanto é puro, tudo quanto é justo, tudo quanto é santo, tudo quanto é amável, tudo quanto é de bom nome, toda a virtude, todo o louvor da disciplina, tudo isso pensai» (Fil. 4,8). In Presbyterorum Ordinis.

Espero que vos seja interpelativo.
Um abraço em Cristo Sacerdote, Senhor e Rei.
O vosso animador

quarta-feira, 20 de junho de 2007

Nacional

Aqui vão os corajosos que arriscaram ir ao Nacional este ano, os que responderam ao desafio que Cristo nos colocou...


A todos os outros que ainda não se decidiram, não desesperem pois a vossa cara pode estar nesta lista, basta que digam SIM... Cá vos espero

segunda-feira, 18 de junho de 2007

Boletim Dominical - Domingo XII do Tempo Comum

Depois de uma semana sem boletim aqui no blog (pelos vistos ninguém reparou) ele está de volta à espera dos vossos comentários....








quinta-feira, 14 de junho de 2007

"Voltemos nossa mente e nosso coração para São Vicente de Paulo, homem de acção e oração, de organização e de imaginação, de comando e de humildade, homem de ontem e de hoje. Que aquele camponês das Landes, convertido pela graça de Deus em génio da caridade, nos ajude a todos a por mais uma vez as mãos no arado – sem olhar para trás – para o único trabalho que importa, o anúncio da Boa Nova aos pobres..."(João Paulo II)

Sábias palavras (como seria de esperar) de João Paulo II... Estas são também um forte incentivo à nossa participação no Encontro Nacional deste ano... Caminhar Passo a Passo com aquele que é um homem de ontem e de hoje, aquele que é apontado como modelo de caridade, é sem dúvida uma experiência que não podemos desperdiçar... pensa bem nisso...

Jesus, Maria e Vicente contam especialmente contigo!!!


sexta-feira, 8 de junho de 2007

Reunião 2


Boa tarde amigos searenses


Aproxima-se mais um fim-de-semana e com ele mais uma reunião, deste modo deixo-vos mais um texto para poderem fazer uma reflexão prévia.

O tema é novamente o Espírito Santo e hoje partilho um excerto do decreto Ad Gentes.

4. Para isso, precisamente, enviou Cristo o Espírito Santo da parte do Pai, para realizar no interior das almas a sua obra salvadora e impelir a Igreja à sua própria dilatação. Não há dúvida de que o Espírito Santo já actuava no mundo antes de Cristo ser glorificado. Contudo, foi no dia de Pentecostes, em que desceu sobre os discípulos para ficar para sempre com eles, que a Igreja foi públicamente manifestada diante duma grande multidão, que a difusão do Evangelho entre os gentios por meio da pregação . teve o seu início, e que, finalmente, a união dos povos numa catolicidade de fé foi esboçada de antemão na Igreja da nova Aliança, a qual fala em todas as línguas e entende e abraça todas as línguas na sua caridade, superando assim a dispersão de Babel. Pelo Pentecostes começaram os «actos dos Apóstolos», como pela descida do Espírito Santo sobre Maria fora concebido Cristo, e como pela descida do mesmo Espírito Santo sobre Cristo, quando orava, fora o Senhor impelido à obra do seu ministério. O próprio Senhor Jesus, antes de dar livremente a sua vida pelo mundo, de tal maneira dispôs o ministério apostólico e de tal forma prometeu enviar o Espírito Santo, que a ambos associava na tarefa de levar a cabo sempre e em toda a parte a obra da salvação. O Espírito Santo é quem «unifica na comunhão e no ministério, e enriquece com diversos dons hierárquicos e carismáticos» toda a Igreja através dos tempos, dando vida às instituições eclesiásticas, sendo como que a alma delas, e instilando nos corações dos fiéis aquele mesmo espírito de missão que animava o próprio Cristo. Por vezes precede visivelmente a acção apostólica, como também incessantemente a acompanha e dirige de vários modos.

Espero que vos seja benéfica a reflexão.

Um grande abraço em Cristo.